Memórias Póstumas de- Hollywood?

Parece que ninguém escapa do período das vacas magras – nem mesmo Hollywood!

Algo estranho têm acontecido na terra ensolarada de Los Angeles: A famosa Tinseltown parece ter assinado, de uma vez por todas, a sentença que lhe atribui o título de remake de si mesma. (Ou será que a Indústria sempre foi assim? Pois bem)

No fim do segundo semestre de 2008 foi feito um levantamento que indicou que haviam 55 “remakes” em produção: alguns concluídos, alguns em processo de desenvolvimento, e outros, pura especulação. E como se filmes já não fossem suficientes, as publicações períodicas e as campanhas publicitárias tem explorado esse território, introduzindo personagens e ícones da história do Cinema através de fotografias compostas pelos rostinhos mais atuais, e até controversos, das telonas mundiais, reencarnando na pele das mais diversas referências cinematográficas.

Em 2007,  Annie Leibovitz foi contratada para compor uma campanha visual para o grupo Walt Disney, que serviu como marketing para os seus parques temáticos. Reunindo as mais variadas estrelas da atualidade, Leibovitz ajudou a recriar cenas dos desenhos que marcaram a infância de milhares. O conceito vingou e a fotógrafa americana retornou em 2008 e em 2011 para dar continuidade ao projeto.

 Julie Andrews e Abigail Breslin como a Fada Azul de Pinóquio junto a uma fadinha aprendiz

Julie Andrews e Abigail Breslin como a Fada Azul de Pinóquio junto a uma fadinha aprendiz

Continuar a ler

Brincando com o invisível

O mês de Outubro está chegando ao fim, e isso só pode significar duas coisas:

#1. Hora de “comemorar” o Halloween; Ou Hora de nos preparmos psicologicamente para o fatídico dia do Arrebatamento, em 2012.  #2. “Hora de tirar a poeira dos enfeites Natalinos, pois as comemorações estão se aproximando.” 

Continuar a ler

Estou aqui!

O nosso primeiro prelúdio será ao som de um dos maiores gênios vivos do mundo da Broadway, o compositor Stephen Sondheim (se você não sabe quem é, por favor, faça bom uso do Google), e de uma de suas inúmeras pérolas, a canção I’m Still Here, do espetáculo que estreou em 1971,“Follies”.

Em primeira instância, I’m Still Here é um desabafo todo trabalhado nas referências culturais, percorrendo os modismos americanos enquanto navega pelos altos e baixos daqueles que um dia já foram aclamados ou detonados pela mídia, pelas circunstâncias ou por algumas pessoas. E, Sendo assim, é impossível não se revigorar diante do exemplo de resiliência que Carlotta externa ao sobreviver os vendavais, e não temer bater no peito e dizer que ainda está aqui!

Carlotta Champion já foi vivida por algumas das lendas dos palcos da Great White Waye abaixo seguem algumas versões que valem a pena ser conferidas.


Yvonne De Carlo, que originou a personagem Carlotta na montagem original.

Good times and bum times – I’ve seen them all – and, my dear, I’m still here!
Plush velvet sometimes, and sometimes just pretzels and beer, but I’m here.
I’ve stuffed the dailies in my shoes, strummed ukuleles, sung the blues
Seen all my dreams disappear, but I’m here!


Elaine Paige no recém-estreado revival da produção.

I’ve slept in shanties, guest of the W.P.A., but I’m here.
Danced in my scanties, three bucks a night was the pay, but I’m here.
I’ve stood on bread lines with the best, Watched while the headlines did the rest
In the depression, was I depressed? Nowhere near!
I met a big financier, and I’m here!


A lendária Elaine Stritch em Sondheim: The Birthday Concert.

I’ve been through Gandhi, Windsor and Wally’s affair, and I’m here.
Amos ‘n’ Andy, Mah-jongg and platinum hair, and I’m here.
I got through Abie’s, Irish Rose, Five Dionne babies, Major Bowes
Had heebie-jeebies for Beebe’s, Bathysphere
I got through Shirley Temple, and I’m here!


Shirley MacLaine no filme Postcards From the Edge (Lembranças de Hollywood).

I’ve gotten through Herbert and J. Edgar Hoover – Gee, that was fun and a half!
When you’ve been through Herbert and J. Edgar Hoover, anything else is a laugh!
I’ve been through Reno, I’ve been through Beverly Hills, and I’m here.
Reefers and vino, rest cures, religion and pills, and I’m here.
Been called a ‘Pinko’, commie tool, got through it stinko by my pool.
I should’ve gone to an acting school, that seems clear; still someone said, “She’s sincere”, so I’m here!


Carol Burnett em “Follies in Concert”, em 1985.

Black sable one day, next day it goes into hock, but I’m here.
Top billing Monday, Tuesday, you’re touring in stock, but I’m here.
First you’re another sloe-eyed vamp; then someone’s mother; then you’re camp…
Then you’re from career to career to career… I’m almost through my memoirs, and I’m here!


Ivana Domenico na montagem brasileira de “Lado a Lado com Sondheim”

I’ve gotten through, “Hey, lady, aren’t you whoozis? Wow, what a looker you were!”
Or better yet, “Sorry, I thought you were whoozis! Whatever happened to her?”
Good times and bum times, I’ve seen ‘em all, and, my dear, I’m still here!
Flush velvet sometimes, sometimes just pretzels and beer, but I’m here.
I’ve run the gamut, A to Z – Three cheers and dammit, C’est la vie!
I got through all of last year, and I’m here
Lord knows, at least I was there, and I’m here
Look who’s here, I’m still here

É, eu estou aqui!